O que a nutri pode fazer pelo meu lado emocional?

Não tem jeito. Lidar com o ser humano, é lidar com subjetividades. Sem entender bem o paciente, seus hábitos, gatilhos mentais, comportamentos e sentimentos não é possível desenvolver um acompanhamento nutricional verdadeiramente eficiente.
Questões emocionais estão relacionadas à forma como nos alimentamos, assim como a inúmeras outras atividades. O problema é quando há um desequilíbrio e vira (até) compulsão, quando a fome emocional começa a ditar o que e quando comer . Mesmo em situações amenas, não é simples mudar um comportamento, muito menos um hábito. É necessário, por vezes, mergulhar fundo em aspectos internos para tentar desvendar os mecanismos emocionais envolvidos e, assim, superá-los em nome de uma boa saúde.
A Nutricionista buscará compreender o estilo de vida do paciente, seus desejos e anseios. Quando necessário, investigará de onde vem a fome, por que se deu a vontade de comer. Sempre que possível, relacionará alternativas que possam ajudar a amenizar, por exemplo, um possível quadro de ansiedade, já pela própria alimentação. Além disso, sempre irá orientar e tentar chegar em uma proposta alimentar que seja funcional, prática e benéfica, claro.
No entanto, para abordar instâncias psicológicas mais latentes, é indispensável a participação de um profissional capacitado. É aí que começa um trabalho multidisciplinar, em que Psicologia e Nutrição dialogam em direção das melhores soluções - para um melhor resultado a atividade física também é acionada.

Olá, sou a Luanna Caramalac Munaro

Queridos pacientes, desejo que Deus abençoe a minha vida profissional fazendo com que eu transmita com minhas prescrições não só o alimento físico, mas também o espiritual, abençoando imensamente a vida de vocês.

 

Contem sempre comigo!